Skip to content

Aradia – A Bruxaria e Industrialização Italiana

Em 1899 fora publicado pela primeira vez o livro Aradia – o Evangelho das Bruxas, escrito por Charles Godfrey Leland, um folclorista e jornalista que estudou um culto particular de bruxaria na Itália durante o século XIX, esse culto, envolto nas brumas da dúvida, deu origem ao livro Aradia – o Evangelho das Bruxas em 1899. Não espere encontrar uma crença Wiccan, mesmo que Gardner, o pai da Wicca, tenha se apoiado neste livro para criar a Wicca, a mesma surgiu somente décadas depois na Inglaterra, influenciada por diversas culturas (há elementos budistas, indianos, pagãos, maçônicos, etc.). Aqui você
LEIA MAIS >>

As Ervas de Poder da Bruxa

Outra forma histórica e cheia de mistérios utilizada por bruxas para voar entre os mundos é o unguento do sabá, também chamado de unguento de voo, ceia negra ou bálsamo das bruxas. Esse composto especial era feito a partir de plantas reconhecidamente alucinógenas, algumas venenosas ao ponto de matar, mas balanceadas como somente um químico de hoje faria, transformando veneno em remédio para a alma. Existe uma longa relação entre veneno e bruxaria. Veneno é tanto uma palavra quanto uma imagem, um signo que demonstra perfeitamente o equilíbrio entre cura e dano, representando o caminho tortuoso da feitiçaria e
LEIA MAIS >>

Amarrações na Bruxaria: em busca da origem

A figura da bruxa européia, que vai ao sabá e voa em vassouras, nos foi introduzida por Portugal como atesta o folclorista e historiador Luís Câmara Cascudo, começamos então por Portugal. A cultura de Portugal foi composta por diversas outras culturas anteriores, sendo as principais o catolicismo, o islamismo e as práticas fetichistas da África. Portugal era aberta ao mar, recebia diversos povos e possui-a uma religiosidade híbrida. Adicionando-se a predominância do caráter rural os portugueses eram muito mais afeitos ao misticismo e a religiosidade pagã do que ao catolicismo.
LEIA MAIS >>

Bruxas no Brasil: Origens da Bruxaria no Brasil

A figura da bruxa européia, que vai ao sabá e voa em vassouras, nos foi introduzida por Portugal como atesta o folclorista e historiador Luís Câmara Cascudo, começamos então por Portugal. A cultura de Portugal foi composta por diversas outras culturas anteriores, sendo as principais o catolicismo, o islamismo e as práticas fetichistas da África. Portugal era aberta ao mar, recebia diversos povos e possui-a uma religiosidade híbrida. Adicionando-se a predominância do caráter rural os portugueses eram muito mais afeitos ao misticismo e a religiosidade pagã do que ao catolicismo.
LEIA MAIS >>

Magia, Bruxaria & Wicca: diferenciação e respeito

O que é magia? A magia é uma folha de papel branca limpa, pura, cheia de possibilidades. Enquanto vazia, ela possui todo potencial, para todas as coisas. Nesse sentido a magia não tem e não é religião, não é uma crença, ela simplesmente é uma fonte potencial. O que é Bruxaria? Agora imagine que começamos a escrever ou desenhar na folha branca. Uma vez que começamos a folha tem seu potencial limitado a técnica empregada. Se pinto de forma similar a um mangá, então me restrinjo-me a manter o mesmo estilo. A folha vai ganhando cada mais traços, delimitando
LEIA MAIS >>

Fadas, Feitiçaria e Feitiços de Cura: como a medicina popular e o sobrenatural se entrelaçaram

O estudo da medicina popular tem uma longa história que reflete sobre o desenvolvimento mais amplo da saúde na sociedade europeia. Nos últimos 500 anos e mais, a medicina foi definida em grande parte por quem a praticou, e não por sua base ou eficácia teórica. Pode-se argumentar que muito do que se sabe sobre a história da medicina “não oficial” deriva de processos sob leis destinadas a restringir o fornecimento e de tentativas do estabelecimento médico europeu de afirmar o monopólio da saúde. Lembre-se de que sabemos retrospectivamente que os tratamentos fornecidos pela medicina profissional eram, até o
LEIA MAIS >>

A última ‘bruxa’ a ser queimada viva era inocente: cidade pede perdão 360 anos após sua morte

POR STUART DOWELL Terapeutas que ajudam idosos com demência foram às ruas de Gdańsk ontem para reencenar o momento em que a última bruxa da cidade foi queimada viva na fogueira – para tentar convencer os conselheiros locais a limpar seu nome 360 ​​anos após sua morte. A suposta feiticeira Anna Kruger, de 88 anos, foi queimada com força no que hoje é Targ Węgielny em Gdańsk, diante de uma multidão latente, depois de ter sido considerada culpada de bruxaria por vereadores locais. O caso foi instaurado contra ela depois que os vizinhos não conseguiram entender por que a
LEIA MAIS >>

UMA NOITE DE SABEDORIA ARCANA

Às vezes as noites na floresta são estranhas. Me recordo de que desde pequena fui ensinada a não temer nada, afinal, morar numa floresta não é algo simples como pregam as pessoas que vivem nas cidades, não durante a noite. Minha avó, uma bruxa centenária, aprendeu com suas antecessoras que não podemos ser vítimas de uma sociedade doente e crescente. Elas sabiam uma terrível verdade, pela qual muitas pagaram com suas vidas. Essa verdade, ou melhor, essa cura que elas promoviam, envolvia libertar as pessoas de seus medos. Me recordo que certa vez minha avó foi chamada às pressas,
LEIA MAIS >>

UM FEITIÇO PARA HORAS DE EMERGÊNCIA

Emergência é em essência algo que está emergindo, subindo a superfície. A palavra emergência como sinônimo de necessidade é recente, tem cerca de 200 anos desde o registro mais antigo de seu uso. Seja qual for a sua necessidade nesse momento, esse trabalho vem lhe trazer uma ferramenta para balancear seu corpo, mente e espírito.  Uma das maiores origens desse sofrimento é a confusão que fazemos entre necessidades não atendidas e desejos não realizados. Necessidades referem-se a aspectos básicos da condição humana, alimentar-se, vestir-se, ter um lugar para morar. Quando essas necessidades não são atendidas, o ser humano vive
LEIA MAIS >>
Atenção, a violação de direitos autorais é crime!