Ouça bem peregrina, ouça bem, pois existe em todo universo uma história para se contar, mas nossa mente foi deturpada de seu poder de criar e agora tudo o que temos são as palavras. O bosque tem escrito na terra uma história, nas cascas das árvores outras mais podem ser encontradas, mas nossa mente está ocupada sendo racional demais, sem dar espaço para uma nova visão. Pense, acaso sabe o pássaro o que é longe? Ou sabem os sapos o que é aniversário? Palavras que só os humanos entendem e que desviam do mundo oculto no bosque.

Certa vez uma bruxa contou: o que você tem é o que você é, sua mente não é muito diferente da realidade que você vive. Para espanto de muitos essa é uma dura verdade, para outros essa é a chave para começar a ouvir sua alma. Muitas pessoas que vem ao meu bosque perguntam se um dia serão amadas, ou se um dia serão ricas… ou mesmo se um dia terão felicidade, mas veja, não se pode ser diferente sem mudar tudo de lugar, no mais, por mais que você lute e faça feitiços, as coisas sempre tem o mesmo resultado.

Eu sei, isso é frustrante. E a cada dia o sentimento de que algo precisa mudar cresce, mesmo sem sabermos como. Uns dizem, fiz um feitiço para X coisa e funcionou, mas para isso nada acontece… pois saiba que mesmo a simpatia mais boba funciona se o que pedimos ressoa com o que nos somos. Na verdade, enquanto vivemos, fazemos magia o tempo todo, a cada palavra, a cada ação, nós atamos um nó na corda do Destino, e fazemos isso sem saber, porque nossas mentes foram treinadas para pensar em termos humanos e se esquecer de sua imemorial origem.
“Esta grande borboleta roxa,
Na prisão das minhas mãos
Tem um aprendizado em seus olhos
Que nem um pobre tolo entende. “
William Butler Yeats
Ouvir essa voz que nos encaminha para nosso destino pode ser algo fácil ou extremamente difícil, mas podemos aos poucos compreender e mudar esse estado de dormência para a realidade ao nosso redor através da auto-observação. Pense por um momento em algo que você nota em si mesmo e que não vê nas pessoas ao seu redor, algo que incomode você… pois bem, há uma grande chance disso ser um padrão inconsciene pessoal. E se pensamos de forma mais ampla, pensemos na fome, na guerra, na destruição que assola as florestas, pois bem, esses são padrões coletivos. Você não pode mudar um padrão coletivo diretamente, mas ao mudar seus padrões inconscientes pessoais você pode mudar indiretamente o mundo. E essa é a beleza de abraçar o desconhecido e diferente com curiosidade e sem o julgamento pronto de nossas mentes.

É sua escolha se viver será algo doloroso ou prazeroso, uma escolha que todos temos e que poucos exercitam, mas nós bruxas aprendemos a viver com com gozo e orgasmo, uma liberdade que existe para além da aprovação alheia, sem negação e sem nenhuma repressão. Nós aprendemos a celebrar a miséria do mundo, aprendemos a amar o nosso sangue, a aliviar a dor, a trazer alívio para o lamento, pois ao não negar o que somos transmutamos o nosso mundo, damos espaço para uma grandiosa transformação. 

“Não há nada em uma lagarta que diga que será uma borboleta.”
Buckminster Fuller

Então não tenha vergonha da sombra em seu coração, não ofusque sua luz com o medo, seja qual for sua história, quanto mais vergonha você tiver, menos você poderá ouvir sua alma, isso impede você de ouvir o canto dos passáros ou ver a formiga trabalhando dia e noite na mata, e por fim notar que a sombra era um pequeno paraíso.

Mme. Leonora

Recommended Posts