A última ‘bruxa’ a ser queimada viva era inocente: cidade pede perdão 360 anos após sua morte

POR STUART DOWELL

Terapeutas que ajudam idosos com demência foram às ruas de Gdańsk ontem para reencenar o momento em que a última bruxa da cidade foi queimada viva na fogueira – para tentar convencer os conselheiros locais a limpar seu nome 360 ​​anos após sua morte.

A suposta feiticeira Anna Kruger, de 88 anos, foi queimada com força no que hoje é Targ Węgielny em Gdańsk, diante de uma multidão latente, depois de ter sido considerada culpada de bruxaria por vereadores locais.

O caso foi instaurado contra ela depois que os vizinhos não conseguiram entender por que a senhora de cabelos grisalhos não havia morrido de varíola, apesar do vírus ter abatido muitos membros mais jovens e saudáveis ​​da comunidade local.

O fato de ela morar perto de uma casa para os doentes com a doença também levantou suspeitas de que a magia era o motivo de sua imunidade.

Domínio Público

Outros vizinhos também a consideravam responsável pelo fato de suas vacas caírem mortas como moscas, acreditando que a velha havia lançado um feitiço nos animais.

Em 9 de dezembro de 1659, a velha senhora, aterrorizada e frágil, foi conduzida por um carrasco que a amarrou a uma estaca cercada por lenha. Apesar de ter sido torturada cruelmente, ela manteve sua inocência por um longo tempo. Membros do clero tentaram salvar sua alma, incentivando-a a confessar, mas ela permaneceu inflexível e jogou de volta citações bíblicas para eles.

Isso apenas alimentou sua ira, pois acreditavam que uma mulher pobre e sem instrução só poderia ter adquirido um conhecimento tão amplo das escrituras do diabo.

Eventualmente, a velha senhora fraca se dobrou quando lhe foram mostrados os instrumentos de tortura que seus acusadores estavam prestes a aplicar.

O terrível evento de 360 ​​anos atrás aconteceu ontem, no que é hoje Targ Węgielny, em Gdańsk. Museu Histórico de Gdańsk

Pinças para puxar seios, ferros de marcar e um dispositivo conhecido como cabra, no qual as vítimas estavam sentadas, enquanto os pesos eram progressivamente presos às pernas, que eram auxiliares da lei populares na época.

Ela finalmente admitiu a feitiçaria, dizendo que tinha aprendido com o marido e que havia começado no dia de São Nicolau. O espírito maligno que disse possuir recebeu o nome de Claus.

Em 9 de dezembro de 1659, a velhinha aterrorizada e frágil foi levada para a praça por um carrasco, que a amarrou a uma estaca cercada por lenha.

Antes de acender a pira, em um ato de misericórdia, ele colocou um pequeno saco de pólvora no manto dela, logo abaixo do coração.

Beata Pawlik

Quando as chamas começaram a subir na fogueira, acenderam o pó, poupando Kruger de mais agonia.

Embora os eventos tenham ocorrido vários séculos atrás, para alguns na cidade a injustiça ainda queima. Beata Pawlik, da Fundação Spellbound [fundacja Zaczarowani], disse à TFN: “Não acreditamos que as pessoas que foram queimadas na fogueira estejam realmente envolvidas em magia. Essas pessoas eram simplesmente diferentes das outras.

“Se vemos hoje alguém que está agindo de forma estranha, que tem uma doença mental, que é um sem-teto, um cigano, não os queimamos na fogueira, mas evitamos, talvez os coloque em uma instituição. Nós os excluímos de nossas vidas e nos isolamos deles. ”

Beata Pawlik

“O destino de Anna Kruger é importante porque ela é um símbolo daqueles que são diferentes. Muito sugere que Kruger sofria de demência. Ela tinha 88 anos, murmurava baixinho e parecia estranha ”, acrescentou.

Ontem, perto do local onde ocorreu o espetáculo macabro no século XVII, a fundação encenou a execução pública. Desta vez, porém, havia duas Anna Krugers. Uma delas foi a histórica Anna que falou sobre seu medo e incompreensão do que estava prestes a acontecer com ela.

Domínio público

A outra Anna simbolizava uma pessoa contemporânea que também expressava seu medo e falta de compreensão do mundo ao seu redor.

Enquanto isso, três juízes condenaram a sentença, privando sua liberdade.

Ao longo dos anos, a fundação tentou convencer os vereadores de Gdańsk a reabilitar Kruger como uma maneira de destacar a exclusão social. Até agora, porém, os membros do conselho não demonstraram muito interesse, citando falta de tempo, e também que o atual conselho não é o sucessor legal do conselho que condenou a velha há quase 400 anos.

No entanto, segundo Pawlik, Gdańsk deve se orgulhar de seu histórico. “Gdańsk abandonou a queima de mulheres acusadas de bruxaria 140 anos antes do que em outras partes da Europa. Deveríamos nos orgulhar disso ”, disse ela.

Anna Kruger não foi a última mulher a ser acusada de manter contato com o diabo na área. Onze anos depois, Wolbrecht Hellinsche, vivendo em Wisłoujście, foi considerada culpada, mas em vez de ser queimada, foi exilada da cidade. Essa abordagem mais branda veio depois que o Papa pediu maior restrição ao lidar com casos de bruxaria.

Essa matéria apareceu primeiro no Empório das Bruxas. Leia o original aqui.

A mulher que enfrentou uma caça às bruxas

Por Louise Yeoman da BBC Escócia

Você enfrentaria uma caça às bruxas? Em 1597, uma mulher de Glasgow chamada Marion Walker fez exatamente isso, enfrentando os homens mais poderosos e vingativos do país. Marion Walker usou os métodos do delatores modernos. Ela obteve, copiou e vazou documentos. Ela queria que os culpados respondessem pelos horrores da caça às bruxas de Glasgow, um abuso chocante da justiça, mesmo para os padrões da época.

Sabemos mais sobre ela graças ao Dr. Daniel MacLeod, da Universidade de Manitoba. Ele se deparou com Marion enquanto pesquisava as redes de resistência dos católicos da cidade.

“Ela é uma clara e ativa defensora da nova religião protestante ao longo de três décadas”, diz MacLeod.

“Ela é viúva, não é rica, mas tem a capacidade de ser ouvida.” Marion não tinha medo de enfrentar nenhum ministro imprudente que ousasse censurá-la.

KEAN COLLECTION

Glasgow naquela época não era como hoje. O Dr. MacLeod diz que era uma cidade pequena, “talvez até metade do tamanho dos dias modernos de Fort William”, que hoje possuí cerca de 10.000 habitantes.

No entanto, tornou-se palco de um dos piores excessos da caça às bruxas escocesa. Pessoas inocentes estavam sendo falsamente acusadas por um descobridor de bruxas totalmente falso e condenadas à morte.

O descobridor de bruxas também era uma mulher – a chamada “Grande Bruxa de Balwearie”, Margaret Aitken. Ela foi presa por bruxaria em Fife e tentou salvar sua pele, alegando que podia identificar outras bruxas apenas olhando nos olhos delas.

As autoridades, incluindo o rei Jaime VI, a viam como uma nova super-arma na guerra contra Satanás, e logo os aterrorizados Glaswegianos estavam sendo levados à frente desse indivíduo desesperado. As pessoas estavam sendo estranguladas e queimadas na fogueira por causa de suas evidências.

HULTON ARCHIVE

Então, enquanto a caça às bruxas prosseguia, alguém teve uma ideia brilhante. Pegue as pessoas que Margaret condenou um dia e traga-as de volta no dia seguinte com roupas diferentes e uma ordem diferente. A grande bruxa que virou bruxa não conseguiu reconhecê-los, condenando e exonerando uma seleção diferente.

Ocorreu aos ministros e magistrados que o que eles realmente tinham era uma fraude horrível. Eles mataram pessoas por nada. Eles correram para se esconder.

E foi aqui que Marion se aproximou. Ela não deixaria os ministros se safarem disso, principalmente John Cowper, o promotor mais zeloso da Grande Bruxa. Cowper era um indivíduo vingativo de pele fina.

“Ele não era muito popular”, diz o Dr. MacLeod. “Mas acho que ele fez boa parte disso sozinho”.

Marion queria derrubá-lo. Através de suas redes de resistência, ela conseguiu colocar o documento mais incriminatório de todas, a confissão final da Grande Bruxa, onde ela apontou o dedo para Cowper e o culpou por tudo o que ela havia feito. A igreja queria silenciar – então Marion começou a circular a confissão entre outras pessoas.

Cowper estava apavorado. Graças a Marion, a confissão passava de mão em mão, garantindo que os habitantes da região sabiam exatamente quem culpar pelas mortes de seus amigos e parentes inocentes. Para contra-atacar, ele mobilizou seus colegas ministros para apoiá-lo.

De acordo com o Dr. MacLeod: “O presbitério aprovou esse ato ameaçando qualquer um que culpar o ministério da cidade por matar as pessoas executadas por bruxaria”. Mas no final eles recuaram. Eles não ousaram tocar em Marion.

PRINT COLLECTOR

“Marion ‘caluniava’ Cowper, ele a chamava ante ao presbitério e nada fazia, mas a raiz disso era essa confissão passando de mão em mão e seu papel em distribuí-la”, disse MacLeod.

Mas Marion não estava se arriscando a ser processada como bruxa? O Dr. MacLeod acha que as pessoas eram um pouco mais sofisticadas do que isso.

“Eles sabiam que ela não era uma bruxa, mas uma defensora de mulheres acusadas injustamente”, disse ele.

Marion viveu para lutar outro dia contra o ministério protestante. Tornou-se uma proeminente defensora do jesuíta John Ogilvy, que acabou sendo martirizado, mas apesar de estar ligada a ele por várias testemunhas, ela também sobreviveu a isso. No ambiente religioso febril da época, foi preciso coragem para abrigar um homem caçado.

O Dr. MacLeod disse: “Muitas vezes, quando pensamos em mulheres no contexto religioso moderno, pensamos nesse tipo de devoção silenciosa e mansa, mas essa não é Marion Walker”.

Leia a matéria na íntegra aqui. Essa matéria apareceu primeiro no Empório das Bruxas.

UMA NOITE DE SABEDORIA ARCANA

Às vezes as noites na floresta são estranhas. Me recordo de que desde pequena fui ensinada a não temer nada, afinal, morar numa floresta não é algo simples como pregam as pessoas que vivem nas cidades, não durante a noite.

Minha avó, uma bruxa centenária, aprendeu com suas antecessoras que não podemos ser vítimas de uma sociedade doente e crescente. Elas sabiam uma terrível verdade, pela qual muitas pagaram com suas vidas. Essa verdade, ou melhor, essa cura que elas promoviam, envolvia libertar as pessoas de seus medos.

Me recordo que certa vez minha avó foi chamada às pressas, por uma pessoa que vivia no vilarejo próximo, para atender duas crianças. Ao chegar lá as crianças choravam sem parar e apontavam para um canto escuro que levava a floresta. Elas pareciam aterrorizadas e pouco ouviam o que as pessoas diziam e não se acalmavam. Minha avó pegou os dois no colo dela, pediu que a deixassem com as crianças e eu, ela disse para as crianças que agora elas tinham uma grande guerreira ao lado delas e que poderiam com muita perseverança vencerem esses e outros monstros que as assustavam.

Ela me disse que aquilo era parte de um chamado para mim, pois segundo ela, era hora de me tornar destemida.

As crianças por um momento pararam de chorar copiosamente e se olharam, ao notar o medo um no outro, voltaram a se desesperar. Minha avó pediu a elas que somente olhassem para ela e contou a uma história boba sobre um macaco que lutava contra um exército de formigas, mas enquanto contava a história ela se movia, indo em direção ao local onde as crianças antes apontavam. Foi então que ela parou a história e disse a eles sobre onde eles estavam. Eles viram logo que não havia nada mais ali e um até riu ao ver o quão bobo foi seu desespero. Minha avó então pegou um raminho de arruda que carregava atrás da orelha e os abençoou pedindo os bons deuses que protegessem as crianças.
Apesar de parecer incrédula de houvesse algo na floresta minha avó voltou ao local onde as crianças haviam apontado e quase que sussurrando me disse algo sobre essa ser uma excelente oportunidade para mim. Eu estava com frio, com medo e com sono, eu não estava no meu melhor momento para caminhadas e ensinamentos na floresta tarde da madrugada. Ela me disse que aquilo era parte de um chamado para mim, pois segundo ela, era hora de me tornar destemida.

Como uma moradora de uma floresta eu posso lhe dizer o que cada som é, eu reconheço o som que cada animal faz, mas também ouço bem os passos dos espíritos lamuriosos sobre a terra. Naquela noite eu havia sentido um frio maior que o comum, me arrepiando toda. Logo depois senti como se fosse observada, o que me deixou num estado de ansiedade em poucos segundos. Minha avó me disse que ela me ajudaria e me socorreria se eu gritasse de medo, mas que aquilo seria minha oportunidade de ser livre de qualquer monstro, e eu confiava nela, então ouvi bem suas instruções de ir até onde o meu medo dizia ser maior o perigo que espreitava e mostrar ao meu medo o quanto eu estava brava. Segui até uma clareira onde me sentia rodeada de sombras e formas sinistras e gritei para as sombras que elas eram idiotas, ignorantes e feias. Minha avó se aproximou sorrindo e disse que isso me bastava por hora para enfrentar qualquer coisa no meu caminho.

O caminho do “conheça a si mesmo” é um caminho longo, mas conforme caminhamos nossa jornada na Terra, conhecemos aspectos profundos de nós mesmos e descobrimos que no medo há poder. 

Os tempos mudaram, eu mudei, mas agora entendo que parte fundamental de ser uma bruxa é conquistar medos. O caminho do “conheça a si mesmo” é um caminho longo, mas conforme caminhamos nossa jornada na Terra, conhecemos aspectos profundos de nós mesmos e descobrimos que no medo há poder. 
Entenda peregrino, que nada do que falo aqui é sobre ser negar o medo, mas sobre transformar o medo em poder. Uma bruxa jamais terá repulsa pelo sentimento de medo, ela o converte em curiosidade e com isso o horror não tem força para se instalar. Minha avó me ensinou que não há necessidade de ser forte, sempre compartilhei com ela meus medos, minhas ansiedades, contei a ela sobre cada um e ela me ajudou a encarar todos com firmeza em minha palavra.
Naquela noite minha avó me disse que aquelas crianças que visitamos mais cedo eram bruxas, que elas tinham o dom mágico de ver os espectros do outro mundo, mas que se dissesse isso aos pais das crianças eles as abandonariam, e no mais, se fosse o destino delas, elas se tornariam um dia conscientes de sua natureza. Até lá, seriam atormentadas pelos medos adquiridos das pessoas com quem vivem. Um dia, elas aprenderão que elas são o que elas temiam, e quando isso acontecer, seus medos serão superados e poderão lembrar de sua ferocidade.

Madam Leonora

O CEMITÉRIO E A ARTE DAS BRUXAS

Algumas vezes, precisamos ver a morte para nos lembrarmos de nossa pequeneza. Basta uma rápida caminhada por entre covas para relembrarmos de nosso futuro iminente. Vez ou outra, vejo as crianças felizes correndo, uma visão do que seria o paraíso para aqueles que agora estão em sono profundo. Num lugar como esse pessoas “normais” veem a morte em tudo, mas observando com atenção, logo se nota que os pais de três crianças pedem para elas que respeitem os mortos, quase que como um pedido para que façam o mesmo no futuro por eles. As crianças, por sua vez, brincam nas árvores e correm por entre os túmulos, mas nenhuma delas vê a morte ou um espírito ali, logo voltam a brincar normalmente.
Quero que entenda que todos vivemos em mundo diferentes caro peregrino. O mundo em que você vive é diferente do meu, e cada um desses mundos é único, pois apesar de encontrarmos pessoas com ideias e personalidades muito semelhantes, não quer dizer que seremos assim para sempre. Todos somos seres psíquicos e todos temos capacidade de nos conectarmos a diferentes mundos, em maior ou menor escala, não há segredo. Porém certos mundos e formas de ver o nosso mundo só são acessíveis em certas condições, o que torna isso um mistério, afinal não há uma receita geral, mas a experiência pessoal aliada à prática e o desejo. 
Quando caminho pelo Prado dos Mortos vejo um mundo de potenciais, um reino de poderes e fraquezas, um universo completo de transformações e revoluções. Entre lágrimas e risos, entre nascimentos e mortes, o apodrecer e a frutificação, um mundo de eterna transiência se encontra, por isso se diz que tudo o que a morte toca vira poder.
Nesse terreno onde a natureza, o tempo e a morte se unem podemos contemplar não só as lápides, mas a nós mesmos. Os cemitérios são tão cheios quanto as cidades e tal como nós os mortos também possuem seus próprios costumes e sua própria sociedade. Certa vez um espírito me disse que somos nós os vivos que estamos mortos, pois desperdiçamos a vida em relações abusivas, em empregos medíocres e levamos a vida muitas vezes sem rumo. Se soubessemos que a morte não espera nada, se soubessemos a importância disso viveriamos tudo livremente, sem medo e sem nenhuma vergonha.

“Somente a idéia da morte dá ao homem o desapego suficiente para ser capaz de não render-se a nada. Um homem assim sabe que sua morte o está perseguindo e que não lhe dará tempo para agarrar-se a nada. Então ele experimenta, sem ânsias, tudo de tudo.” ~Carlos Castaneda

Em nossa sociedade o homem comum, como os pais das crianças, chegam a velhice e se costumam se preprar para a morte, como se nada mais houvesse na vida para viver, quando na verdade ele somente fez tudo o que as pessoas comum fazem. Acreditar que já se viveu tudo é colocar a morte em sua porta, é dizer a si mesmo que você não merece viver.
Nosso mundo é incompreensivel, mas observá-lo poderá lhe dar chaves preciosas para cantos ocultos de sua alma. Se você observar verdadeiramente, você irá aprender que devemos receber o mundo como ele é: um mistério. E bem, somos todos loucos vivendo um mundo de mistérios – ou nos jogamos nessa enorme aventura, ou nos dispomos na lista de espera da morte.
Aprender sobre os mortos é aprender sobre uma vida mais digna, pois uma vez que nos dispomos a respeitar ao invés de temer nos colocamos numa situação de aprendizado e de poder. Os covardes jamais terão a menor vista que seja da importância e do quão longo é o processo da morte em nossas sociedades.

Porém quero que entendam buscadores, quando nos dispomos aos mortos eles nos veem também e é aí que somos testados, será que somos tão selvagens e ferozes ao ponto de sermos capazes de compreender e controlar os espíritos imemoriais e sem forma que rondam as noites frias? Independente de sua resposta ser sim ou não lembre-se que antes do medo deve vir o respeito. É como cutucar o leão com a vara curta. Muitas vezes o problema não é o espírito, mas nossas atitudes.

A vida é maravilhosa, ela é completa e suficiente, é nosso maior bem, nossa maior jornada e nosso maior desafio em nossa existência cósmica, da mesma forma a morte é simplesmente o desatar do fio que o Destino atou no exato momento de nosso nascimento. 
Mme. Leonora

BRUXARIA, SEGREDO E MISTÉRIO

Muitas vezes as pessoas vêm ao meu bosque curiosas com os segredos que guardo. Elas pisam em meu jardim e acreditam que estão seguras escondidas da vista da bruxa, pois elas, tal como muitos outros, acreditam que olhar nos olhos de uma bruxa é suficiente para “pegar” uma maldição, mas há também os corajosos, aqueles que ficam, entram em minha cabana e me trazem questões que carregam em seus corações. 

Certa vez, um jovem rapaz bateu em minha porta trazendo uma serpente que havia abatido em meu terreno. Afoito e espantando com meu convite para entrar, ele logo postulou sua grande questão: porque nós bruxas temos tantos segredos e mistérios? E essas foram minhas palavras para ele:
Como uma bruxa, uma mulher capaz de transformar palavras, ações e crenças, é importante que primeiro você compreenda que segredos podem ser expressados, mas mistérios não. 
Quando eu era criança eu imagina como era andar de bicicleta, morei por muitos anos numa rua cheia de crianças e à aquela altura todos já andavam de bicicleta e meus amigos tentavam me explicar como era, me falaram da necessidade de equilibro, movimento, quando parar e quando não, como ficar de pé na bicicleta e andar ao mesmo tempo, entre tantas outras coisas radicais e divertidas. Bem, por mais que eu tentasse imaginar todas essas coisas eu não poderia por que o “como é andar de bicicleta” é um mistério, a bicicleta como um instrumento não tem mistérios, nem andar em uma deve ser considerado um segredo, porém nem todos podem andar de bicicleta.
Sim, andar de bicicleta não é para todos, e não é por conta de limitações físicas, mas por características como labirintite, problemas de condenação motora ou até pessoas com problemas de equilíbrio. Agora se colocarmos a bruxaria no lugar da bicicleta, como uma ferramenta, da mesma forma, ninguém vira uma bruxa lendo livros, ter todos os livros de um autor ou corrente de pensamento não revela os segredos e mistérios daquilo, pois tal como imaginar como é andar de bicicleta, quando você lê um livro sobre algo você está somente lendo sobre como é aquilo, precisamente: um retrato de como é viver ou ser algo. 
Na Arte das bruxas nem tudo é para todos, fosse assim teríamos um único corpo de conhecimentos, mas o que temos? Miríades de tradições e vertentes onde cada um recebe o chamado particular e segue a sua trilha de acordo com a experiência pessoal daqueles que vieram antes e que descobriram tecnologias (rituais, feitiços, encantos) que facilitam esse trabalho, e somente depois disso, vem a experiência própria de “o que é ser uma bruxa”, que é seu mistério pessoal sobre como é vivenciar esse caminho.
Mistérios são inexplicáveis em palavras humanas, certamente podemos captar em palavras e símbolos uma fração do “o que é ser uma bruxa” mas nenhuma dessas formas lhe permite experimentar diretamente esse poder. Segredos são coisas que escolhemos não falar, e posso lhe assegurar que em minha Arte pessoal o grande segredo é que nada (e tudo) está oculto, tudo (e nada) está exposto. Você somente não tem ainda a ferramenta e a tecnologia correta para interpreta-lá. 
A bruxaria faz uso do poder do Espírito, nossas ferramentas são imbuídas com nossos espíritos, e quando as usamos estamos estendendo o poder que nos foi dado para transformar o que já não mais é útil em nossa jornada. Nossos olhos são os olhos do espírito, e nossa realidade a da alma. Desse modo, em seu estado de desconhecimento atual, você jamais seria capaz de compreender os segredos e mistérios do que faço aqui em minha cabana e lá fora no bosque.
Como certa vez disse um grande bruxo, Paul Huson, a bruxaria “como a trufa, cresce melhor e tem o sabor mais escandaloso, quando é profundamente escondida.”, e esse é um mistério para, quem sabe, um outro dia…

Mme. Leonora

A SOMBRA EM SEU CORAÇÃO

Ouça bem peregrina, ouça bem, pois existe em todo universo uma história para se contar, mas nossa mente foi deturpada de seu poder de criar e agora tudo o que temos são as palavras. O bosque tem escrito na terra uma história, nas cascas das árvores outras mais podem ser encontradas, mas nossa mente está ocupada sendo racional demais, sem dar espaço para uma nova visão. Pense, acaso sabe o pássaro o que é longe? Ou sabem os sapos o que é aniversário? Palavras que só os humanos entendem e que desviam do mundo oculto no bosque.

Certa vez uma bruxa contou: o que você tem é o que você é, sua mente não é muito diferente da realidade que você vive. Para espanto de muitos essa é uma dura verdade, para outros essa é a chave para começar a ouvir sua alma. Muitas pessoas que vem ao meu bosque perguntam se um dia serão amadas, ou se um dia serão ricas… ou mesmo se um dia terão felicidade, mas veja, não se pode ser diferente sem mudar tudo de lugar, no mais, por mais que você lute e faça feitiços, as coisas sempre tem o mesmo resultado.

Eu sei, isso é frustrante. E a cada dia o sentimento de que algo precisa mudar cresce, mesmo sem sabermos como. Uns dizem, fiz um feitiço para X coisa e funcionou, mas para isso nada acontece… pois saiba que mesmo a simpatia mais boba funciona se o que pedimos ressoa com o que nos somos. Na verdade, enquanto vivemos, fazemos magia o tempo todo, a cada palavra, a cada ação, nós atamos um nó na corda do Destino, e fazemos isso sem saber, porque nossas mentes foram treinadas para pensar em termos humanos e se esquecer de sua imemorial origem.
“Esta grande borboleta roxa,
Na prisão das minhas mãos
Tem um aprendizado em seus olhos
Que nem um pobre tolo entende. “
William Butler Yeats
Ouvir essa voz que nos encaminha para nosso destino pode ser algo fácil ou extremamente difícil, mas podemos aos poucos compreender e mudar esse estado de dormência para a realidade ao nosso redor através da auto-observação. Pense por um momento em algo que você nota em si mesmo e que não vê nas pessoas ao seu redor, algo que incomode você… pois bem, há uma grande chance disso ser um padrão inconsciene pessoal. E se pensamos de forma mais ampla, pensemos na fome, na guerra, na destruição que assola as florestas, pois bem, esses são padrões coletivos. Você não pode mudar um padrão coletivo diretamente, mas ao mudar seus padrões inconscientes pessoais você pode mudar indiretamente o mundo. E essa é a beleza de abraçar o desconhecido e diferente com curiosidade e sem o julgamento pronto de nossas mentes.

É sua escolha se viver será algo doloroso ou prazeroso, uma escolha que todos temos e que poucos exercitam, mas nós bruxas aprendemos a viver com com gozo e orgasmo, uma liberdade que existe para além da aprovação alheia, sem negação e sem nenhuma repressão. Nós aprendemos a celebrar a miséria do mundo, aprendemos a amar o nosso sangue, a aliviar a dor, a trazer alívio para o lamento, pois ao não negar o que somos transmutamos o nosso mundo, damos espaço para uma grandiosa transformação. 

“Não há nada em uma lagarta que diga que será uma borboleta.”
Buckminster Fuller

Então não tenha vergonha da sombra em seu coração, não ofusque sua luz com o medo, seja qual for sua história, quanto mais vergonha você tiver, menos você poderá ouvir sua alma, isso impede você de ouvir o canto dos passáros ou ver a formiga trabalhando dia e noite na mata, e por fim notar que a sombra era um pequeno paraíso.

Mme. Leonora

A MARCA DAS BRUXAS

Em nosso bosque há diversos seres e espíritos, continuamente trabalhamos com eles de modo que eles possam, através de nós, manifestar a Arte que transcende qualquer tempo e espaço. Acreditamos que o tempo todo, a nosso volta, eles nos dão sinais para nos guiar através da noite escura. Esses sinais muitas vezes acabam formando outros, os quais chamamos de sigilos, símbolos construídos para fazer algo que necessitamos. 

Dos mais antigos símbolos de nossa irmandade está este símbolo chamado de Pé das Bruxas, sobre o qual um grande mistério jaz, um mistério amplo que não serei totalmente capaz de comunicar, pois certas coisas devem ser vividas para se compreender. Este simbolo fala sobre as Nossa Rainha,  parecido com a pegada de uma coruja ou ganso, dois animais relacionados a ela, o pé das bruxas nos lembra de nossa condição animal, humana e espiritual, a trindade das bruxas. Além disso representa o Reino Celestial, o Reino Inferior, e os quatro reinos, que são as quatro direções com os quatro vigias (norte, sul, leste, oeste).
Nas alturas, no caminho das estrelas que chamamos de Via Láctea, está o Reino Celestial, onde habitam os espíritos mais elevados, como os deuses e nossos ancestrais cujas jornadas no mundo material foram terminadas. Nas profundezas temos o Reino Inferior, onde habitam os espíritos do mortos em geral, e é composto de muitas partes, nele há locais com grandes pastos, mas também há locais com tormento e sombras. é comum chamarmos o Reino dos Espíritos de Elfame, elf (elfo) + home (casa), casa dos elfos. Os elfos nada mais são do que espíritos nas terras do hemisfério norte, há de fato uma grande confusão hoje em dia classificando elfos como seres de orelhas pontudas que vivem junto com as fadas, mas veja bem, elfo possui a mesma raiz de ‘alvo’, sinonimo de cândido, branco, que nos remete a velha visão do mundo antigo de espíritos iluminados com um tom branco, tal como em filmes, desenhos e séries do mundo moderno. 

Se estendendo ao nosso redor se encontram as quatro direções, norte, sul, leste e oeste, cada qual representando uma estação, inverno – verão, primavera – outono, mas não só isso, representam os aspectos da vida humana, como a juventude, a vida adulta, a velhice e a morte, ou então podem ainda representar o nascer do sol, o meio dia, o por do sol e a meia noite. Muitas são os mistérios que os vigias guardam, e como gostamos de dizer, há sempre um ano em um dia. Pois dentro de um dia vemos todos os eventos que são causados da passagem do sol ao longo do ano.

Mme. Leonora
Alguns trechos deste texto foram retirados “LIBER UMBRAE” – um grimório de bruxaria de Michael Nefer.

Curso de Cartomancia Prática (Grátis!)

A Cartomancia é uma das mais antigas e famosas artes adivinhatórias. Frequentemente as pessoas desejam saberem mesmo que o mais minúsculo detalhe do futuro de modo a tirar melhor proveito dele.

Você pode se perguntar… eu não posso ser um cartomante porque não tenho intuição… mas a verdade é que TODOS podemos ser cartomantes porque todo ser humano é psíquico! Pensando em desmistificar a Cartomancia como algo difícil, nós do Empório das Bruxas, buscamos uma forma de ajudar a comunidade que cresce todos os dias e decidimos dar GRATUITAMENTE nosso curso de cartomancia no qual você receberá uma base teórica e prática, com exercícios que vão despertar sua intuição e mudar sua percepção do mundo ordinário e quem sabe se tornar um profissional com prática, tempo e disciplina. O curso é gratuito, mas temos algumas REGRINHAS básicas! Ficou curioso? Preencha o formulário:

A PONTE QUE ATA OS MUNDOS

Como diziamos no blog anterior, a bruxa perpicaz deve, com o tempo e instrução, através de seu dom, ver além do que está a sua frente. O poder que a bruxa tem é um poder que não está somente nas palavras, nem nos atos, feitiços, rituais, que ela faz… esse poder está no que há entre todas as coisas.

É possível acessá-lo e utilizá-lo de acordo com a vontade de cada um, mas sempre é cobrado um preço por cada ato – pois tudo o que tomamos como nosso nossa Rainha pode um dia tirar pela pura vontade dela. Esse poder inominável que flui incessante da fonte espirítual é quem liga os muitos mundos com o axis de nossos corações e torna possível todas as coisas. Nele os profundos reinos dos mortos se ligam ao reino dos ancestrais e dos deuses honrados. O axis é o primeiro poder a ser reverenciado em sua altura e profundidade, sem ele nenhum mundo existiria. Esse poder pode ser exemplificado na forma física como o santuário secreto que é seu coração. Nele todas coisas são ligadas e sem ele nenhuma outra existiria, o coração se liga a mente para abrir as portas secretas da realidade.

Um caminho é só um caminho, e não há desrespeito a si ou aos outros em abandoná-lo, se é isto que o coração nos diz…examinhe cada caminho com muito cuidado e deliberação. Tente-o muitas vezes, tanto quanto julgar necessário. Só então pergunte a você mesmo, sozinho, uma coisa… este caminho tem coração? Se tem, o caminho é bom, se não tem, ele não lhe serve. Um caminho é só um caminho.

Carlos Castãneda

Isso tudo, caro peregrino, quer dizer que você não pode ser o que você não é. Você não pode ser você sem você mesmo. Tudo começa no coração. O coração é quem ouve primeiro o sussurro do chamado dos deuses antigos e é através dele que vamos para o prado de nosso deus sábio. Se você não conhece nada além de quem você é físicamente, então comece a olhar honestamente para sua realidade interior e se perguntar: o que eu sou? Muitas vezes essa resposta é algo que somente o Tempo poderá lhe dar.

As realidades ocultas ao nosso redor, quando o coração está desperto, são facilmente acessadas através de movimentos de expansão e contração alternando estados mentais. O coração pode parecer o guia mais irracional que você já conheceu, as vezes nos colocando em situações contrárias aos nossos interesses, mas ele, como centro de nosso insconsciente, é a beleza e o Poder de tudo isso. Não é barato lidar com ele, mas sem dúvida ele é quem com fé se submete ao caminho tortuoso dos deuses antigos.

“Coloque seus pensamentos para dormir, não deixe-nos lançar uma sombra sobre a Lua de seu coração. Pare de pensar.” 

Rumi

O coração se estende através dos caminhos do Sol e da Lua e, através de sentidos físcos e espirituais, desse modo, todo ser humano vive entre duas realidades naturalmente. O caminho do Sol, que é o caminho da consciência, rege tudo o que podemos pensar enquanto acordados, esse caminho se alia ao caminho da Lua, que comporta em si tudo aquilo que é inconsciente, e por consequente irracional. Seguir um ou o outro não é a questão, mas sim, descobrir o que há entre eles, dentro deles e para além deles. Quando você tem uma intuição, você está tocando o caminho do coração, Lunar, irracional, mas muitas vezes verdeiro. Quando você sente ansiedade, você está o caminho do Sol, está literamente sofrendo de “excesso de consciência” e sofre de inverdades que sua mente diz para si mesmo. Seu foco é a chave para alternar estes e muitos outros estados de ser.

Nós que aqui deste lado da fronteira dos mundos temos muito a aprender ouvindo a batida de nossos corações e o silêncio que há entre elas, pois no canto do grilo e na canção da cigarra há segredos guardados esperando pelo observador. Um de nossos muitos deuses é patrono da agricultura. Sua função não é somente mover as águas, ventos, proteger a fauna e flora, mas também nos recordar que vivemos num jardim de ilusões, pois somos naturalmente selvagens, livres e desempedidos para ir além da cerca que nos rodeia. É obvío que cada coração deve ser nutrido com água pura, as ervas-daninhas devem ser tratadas, muitas vezes eliminadas, nossos caules devem ser podados e devemos cuidar de nossa própria floração, porém, devemos recordar também que o excesso, nesse caso de cuidado, deve ser pensado com parcimônia, uma vez que nossa essência transcede o próprio jardim e vai para além, sempre para frente.

Madame Leonora

O SANTUÁRIO DAS FEITICEIRAS

Quando uma pessoa comum caminha pela floresta, tudo o que ela vê são árvores, pássaros, animais… e muitas folhas. No entanto, alguém mais atento pode encontrar na floresta segredos talhados no tronco das árvores e no canto dos passáros. A maioria das religiões existem determinados recipientes e objetos que adquirem significado sagrado e ritualístico. A Arte também possui os seus, porém como era perigoso possuir esse tipo de instrumento, a maioria deles era de natureza doméstica e comum, muitas vezes a própria natureza local era o instrumento da bruxa.
Diferente do que se imagina, boa parte das bruxas de antigamente não tinha altares em suas casas, a prática da bruxaria quase sempre ocorriam em meio à natureza selvagem. Não quero com isso dizer que altares são inutéis, muita calma, para a bruxa iniciante, e dos dias atuais, o altar é bem-vindo, pois nele as necessidades e relação com os deuses e ancestrais pode ser minimamente saciadas.
Os tempos mudaram, as pessoas mudaram, mas a Arte ainda mantém viva, nos corações de uma míriade de homens e mulheres, uma lembrança oculta, um sentimento de alegria e até um olhar admirado e quase nostálgico quando vê uma área verde, mesmo que uma praça. Nossos corpos e mentes, agarrados as facilidades dos grandes centros urbanos, nos desviam do verdadeiro livro da sabedoria e nos guiam direto para as estantes de livrarias, e o mundo moderno quase que hipnóticamente que nos diz: “porque manifestar a sabedoria que a natureza nos reserva se temos milhares de livros para ler?”.
As Sábias e os astutos feiticeiros do passado nos recordam que nossa evolução sem dúvida nos trouxe o que precisamos para superar os muitos medos e “demônios” que nos abismavam no passado, como a morte que vinha nos ventos do inverno ou a morte da jovem que acabara de engravidar. Ainda assim, toda essa evolução continua nos mantendo presos em uma realidade ilusória e quase que encantadora, um verdadeiro feitiço coletivo do qual poucos podem acordar e ver a realidade oculta a sua volta, mas para a bruxa, com seu qualidade de estar desperta, caminha entre as árvores e a escuridão e sente o caminho se abrir a sua frente. Sua coragem e ferocidade é algo reservado a poucos.
Viver na floresta é para poucos. Se você vive numa cidade pequena você entende isso. Agora, independente de você ser uma bruxa urbana ou rural, a Arte está escancarada ao seu redor. Aqueles com o dom para sentir podem facilmente ver os muitos mundos ocultos dentro do nosso. Esses mundos, muitas vezes também chamado de reinos, por serem depósitos naturais coletivos de espíritos, podem servir a bruxa para recarregar seu poder e enviar suas intenções através do universo. Cada local, como florestas, praias, parques, bosques, lagos, cemitérios, possuem seus espíritos guardiões, os verdadeiros detentores de tudo o que o busca dentro de livros caros e antigos. Tal como um bosque tem seu guardião, dentro desse bosque outros poderes também habitam, e assim, quase que infinitamente, mundo dentro de mundo se repete, como a serpente que engole o próprio rabo.
Dentro da floresta, o coaxar do sapo, o guizo da cascavel, o coricitar da coruja, o chamado do uirapuru, entre tantos outros, mostram os caminhos de mistério, contados ao pé da fogueira, sob a luz da lua, guardado nas canções de amor e de cura… ecos de caminhos da própria vida que formam o coração de cada lugar. Relembrá-los é preciso.

Como uma bruxa, cabe a você um trabalho de uma vida, coletar os mitos e lendas ao seu redor são uma dos muitas ordálias que você terá de desempenhar. Esses mitos, muitos até bobos, podem guardar não só referencias e metáforas, mas também podem servir como “instrumentos” para o trabalho de uma bruxa perspicaz.


No próximo blog, “Parte 2 – A Ponte que Ata os Mundos”.
Madame Leonora